Os traficantes malvados e a cerveja de milho

Já provou cerveja de milho? Se você já bebeu Bohemia, Skol, Antarctica ou Nova Schin, por exemplo, a resposta é sim. Todas elas levam na sua receita até 45% de milho – substituto barato da cevada maltada, ingrediente da receita original desta nobre bebida. Já se sabe dessa malandragem pelo menos desde o ano passado, quando uma pesquisa da USP e da Unicamp analisou as cervejas brasileiras e constatou que as cervejarias nacionais usam nos seus produtos quase 45% de milho, limite máximo permitido por lei. A novidade, noticiada pela Folha, é que as cervejarias estão batalhando para colocar ainda mais milho na sua cerveja – até 50%. Seria a verdadeira cerveja de maizena.

A cerveja é a bebida mais antiga que a humanidade produziu. E ela sempre foi feita de cevada, primeiro cereal que o homem plantou e colheu. E esse pioneirismo do grão talvez não seja coincidência – estudiosos da revolução do neolítico (período em que desenvolvemos a agricultura, há de 10 mil anos), consideram a hipótese de o homem ter desenvolvido as primeiras técnicas agrícolas justamente para fabricar cerveja. Se você leu o Almanaque das Drogas, já sabe disso. Na era medieval, a Europa começou a ter problema de intoxicação por causa de cervejas feitas com ingredientes duvidosos e monges alemães que fabricavam cerveja baixaram um decreto com os ingredientes essenciais e obrigatórios da cerveja – e lá estava o malte de cevada como único grão aceito. É dele que vem o açúcar que as leveduras usam na fermentação para produzir álcool e gás carbônico. Quando se muda o grão que as leveduras “comem”, muda também o sabor do produto final.

Os mestres cervejeiros daqui apelam para essa mistura porque a produção de cevada brasileira é pequena, e nosso know how sobre o processo de maltagem é baixo. Então praticamente todo malte usado em nossas cervejas é importado e, logo, caro. Então eles colocam milho para deixar a cerveja mais barata. Uma grande sacanagem com o consumidor. Porque cerveja com mais milho é menos cerveja. Não tem saída, ela fica diferente mesmo. Só não dá para dizer que fica pior porque tem gosto para tudo – quem sabe você não gosta mesmo é do fermentado de milho?

A sacanagem é ainda mais cruel se levarmos em conta algumas questões econômicas. A primeira é que já pagamos um preço absurdamente caro por uma garrafa de cerveja. Em São Paulo e Rio de Janeiro não é difícil achar um bar que venda 600 ml por R$ 8. A outra questão é que a Ambev, produtora das marcas mais vendidas do país, é dona da 4a maior margem de lucro sobre a venda entre as empresas brasileiras. De cada R$ 100 vendidos pela cervejeira, R$ 49,80 é lucro.*

Isso quer dizer que eles não precisam piorar a cerveja para manter seu negócio lucrativo. Os donos da Ambev são os homens mais ricos do país – Jorge Paulo Leman, sócio majoritário, tem uma fortuna de R$ 38 bilhões. Esses comerciantes de drogas poderiam ganhar um pouquinho menos por garrafa para manter nossa cerveja ruim como já é. Não precisava piorá-la. Mas eles preferem fazer isso a ganhar alguns centavos a menos. E ainda acham que só os fabricantes de drogas ilícitas é que são malvados e gananciosos, capazes de “malhar” seus produtos.

***

Agora que você sabe dessa história, confira as cervejas brasileiras feitas com malte de verdade.

CERVEJA_DE_VERDADE

*Fonte: Revista Exame, Melhores e Maiores, edição 2013, julho.

Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

188 respostas para Os traficantes malvados e a cerveja de milho

  1. Luis disse:

    e a Heineken ?? tem a Karavele de Indaitiba que tb é puro malte.

  2. Mykaela disse:

    Gente e a Serra Malte? E Antártica Original? Fiquei curiosa…

    • jrbarbassa disse:

      Oi Mykaela!

      Tanto a Serramalte quanto a Original são adjunct lagers, ou seja, não são nem puro malte e nem premium. Apenas gozam de um status que não consigo entender: pq pagar tão mais caro por cervejas tecnicamente iguais as outras. Elas podem até levar ingredientes melhores (e no meu caso a Serramalte é a adjunct preferida) mas isso não muda muito a percepção final do consumidor, pq são feitas para se tomar bem geladas e isso disfarça o sabor.

      • marcelo disse:

        Em relação ao seu comentário: “Apenas gozam de um status que não consigo entender: pq pagar tão mais caro por cervejas tecnicamente iguais as outras.”
        Isso é uma questão de posicionamento de produto e estratégia de valorização da marca. Se o mercado tem uma percepção que de estas cervejas são superiores ele está disposto a pagar mais caro.
        Ainda em relação ao comentário, dois produtos tecnicamente iguais podem ter resultados finais totalmente diferentes no final. Basta pedir comer um talharini ao sugo em um restaurante por kilo e um em um restaurante italiano de bom nível para ver a diferença. Ambos são macarrão e utilizam tomates, mas como você mesmo diz, podem existir ingredientes melhores que fazem a diferença no final. Além da técnica de preparo.
        Só para finalizar, em relação ao comentário geral que cerveja é cara no Brasil, alguém já saiu para beber em países como USA e Inglaterra? Pelo menos quando se fala de cervejas industrializadas de grande produção, o Brasil é um dos países mais baratos do mundo para se beber fora de casa.

  3. marcelo disse:

    …e provavelmente milho transgênico.

  4. Caio Fagundes disse:

    1. As cervejas populares são feitas de acordo com a legislação. Se não estiver contente, escreva para seu deputado para apresentar PL alterando a legislação.
    2. O s rótulos trazem a informação de “cereais não maltados”
    3. Você anda de Uno Mille ou de Mercedes C180? Ah, sim, de acordo com seu bolso. Com cerveja é a mesma coisa.
    4. E, francamente, as cervejas populares são agradáveis de beber. Uma vez servi para uns amigos que gostam de degustar cervejas uma Kril bem geladinha. Gostara, com pequenas restrições. Acharam tolerável. E a Kril custou R$ 0,98 a garrafa de 600 ml. Bem, isso faz tempo, não sei o preço hoje.
    5. Um abraço aos zitólogos de qualquer naipe!

    • fabio disse:

      quanta arrogancia.. mas vou responder
      1. Se não achou o texto útil, melhor mudar de blog
      2. vai tomar no cu

    • Carlos disse:

      O problema é justamente a interferência do digníssimo filho da, opa, digo, dePutado. E o engraçado que sempre que o estado faz merda a solução recomendada é mais estado! O certo seria permitir a importação de cervejas livremente, sem interferência alguma do governo dizendo quem pode trazer, quanto pode trazer e ainda ter que pagar uma propina para a gangue deixar o produto subir o morro brasil – e todo mundo aceita a extorsão e acha até correto e que é para o nosso bem, afinal eles podem nos sequestrar e colocar numa prisão. Para mim não vejo vantagem em comprar um produto pior e que é mais caro só porque o cara que faz nasceu no mesmo morro, digo, país que eu. Se os chineses fazem uma cerveja igual e mais barata porque não economizar minha grana comprando uma made in china? E se algum europeu faz uma melhor e com um preço competitivo porque ficar consumindo este fermentado de milho? Só porque foi feito por um cara que coincidentemente nasceu na mesma birosca que eu? Se abrir o mercado para a competição os fabricantes de cerveja vão brigar pelos clientes. Descobrirão o possível e impossível para abaixar seus preços e estudarão formas de fazer cervejas melhores e mais baratas.

  5. Viajante de Curitiba disse:

    Olha galera, não nascemos há 10 mil anos atrás (tirando o Raul Seixas) e como vocês sabem gosto é gosto. Só temos cervejas assim por um simples motivo: caiu no gosto do brasileiro e ele realmente prefere estas “american lagers”. É um pouco arrogante falar que o camarada ali em cima não entende de cerveja se ele gosta de bud, o gosto é dele oras! Quem mais entende de cerveja que ele gosta é ele mesmo. Conheço muita gente que toma vinho tinto “doce” ou “suave” e muito feliz. Isso não quer dizer que a pessoa não entenda de vinho.

    Experiências relatas:
    1) Já fiz churrasco com pessoal que veio de outras cidades (inclusive do interior) com chopp artezanal puro malte e cerveja gelada (brahma) e pasmem: a brahma acabou primeiro. O pessoal simplesmente ignorou a cerveja mais trabalhada, lupulada e aromática para matar a sede com nossas “cervejas de milho”. O gosto deles os levaram para as cervejas leves, simples! Diferente de whisky por exemplo que a maioria vai para o mais licoroso (pelo menos por minha experiência).
    Fiquei um pouco decepcionado com o gosto do pessoal daquele churrasco, pois achei que iriam curtir muito a cerveja artezanal (que na capital onde moro virou moda: Curitiba)… Eu até considero um pouco falso o brasileiro, de uma hora para outra, começar a gostar destas cervejas mais elaboradas e artezanais. Pois sua identidade, adolescência e história, é humilde e amistosa. E está ligada à cervejas para se beber muito e dividir, para dar tempo de tomar gelada. Se você for para a Europa verá que eles não dividem cerveja. Talvez hoje o tomar cerveja especial seja ligado à status mesmo, não é difícil ver as fotos de cervejas caras pelo Facebook, exemplo uma Deus com o texto “é o que tem para hoje”.
    2) Se tiver bavaria premium e stella na prateleira pelo mesmo preço eu vou na segunda (bizarro, mas é meu gosto).
    3) Fiquei feliz em saber que a Demoiselle (uma das minhas preferidas top 5 no Brasil) é puro malte (isto não interferiu no meu gosto heheh) mas pelo menos sei que o custo é um pouco mais justo.
    4) Talvez as cervejas especiais não tenham caído ainda em domínio público em virtude do preço, mas algumas gerações deverão tomar ainda quando jovens.
    5) Você já tomou guaraná-jesus ? Se sim vai entender que gosto é gosto.

    Eu, que sou fã das cervejas mais encorpadas, aromáticas, etc – pois morei um bom tempo na alemanha, frança, inglaterra e Tchequa e me acostumei a tomá-las quentes (até 10º) – quando tomo uma Porter, lembro de lá e dou uma viajada.

    Vocês não tem ideia disso, mas uma vez estávamos viajando (eu e mais 3 amigos), longe do Brasil há mais de 2 anos, e na Áustria encontramos um lote de Skol no mercado. Apesar de muita cerveja boa e barata ao lado compramos uma lata de 500ml cada uma. Depois de deixar na neve por um bom tempo para trincar, pegamos uma lata cada um, fechamos os olhos e o primeiro gole veio com uma memória de praia, aquele bafo da praia, o meu “brasilsão” velho de guerra… Enfim, veio tanta coisa boa em nossa memória (principalmente a praia), rimos juntos até a cerveja acabar…

  6. Ivair disse:

    Esse Brasil, piorando a cada dia, todas as marcas de cerveja horriveis, nos engam produzindo essa agua cheia de quimica, sem procedencia alguma.
    Estamos todos ferrados…sem ver a luz no final do túnel….

  7. Querem fazer uma bebida com 45% ou mais de milho, sem problemas, só não chamem de cerveja.

  8. irineu caznok disse:

    SE SOUBESSEM TOMAR CERVEJA NÃO TOMARIAM TÃO GELADA,ESTÃ TOMANDO AGUA GELADA KKKK.

  9. danieltemp disse:

    E a Serramalte? E a Original? também são virada em milho tb?

  10. Glenn disse:

    Há também as cervejas artesanais Schornstein, produzidas seguindo a lei da pureza alemã de 1.516; que determina que as cervejas deve ser fabricadas utilizando-se somente água, malte e lúpulo. O site da fábrica é http://www.schornstein.com.br. Confira!

  11. Glenn disse:

    Correção: “[…] devem ser […]”

  12. gustavo disse:

    infelizmente o brasileiro nunca deixou de ser passado para trás, pois sempre houveram pilantragem, é simples a obrigação ao VOTO, e outro detalhe o brasileiro também gosta de suquinho, ou seja esses sucos de milho, e alem de tudo como no Brasil os impostos são altos e os empresários ainda se aproveitam e tiram mais um pouco, ou seja se você importar um produto, pagando todos os impostos agiotados em cima do mesmo, eram pra sair em media miníma de 2,5 vezes e meia, mas como vemos sempre no minímo aqui no Brasil paga-se 4 vezes mais, apesar de um grande e recente caso reportado por jornais, um video game lançamento nos E.U.A., $400,00, aqui no brasil o mesmo aparelho R$ 4,000,00, simples assim e só colocar um zero, pois o brasileiro, diz que é pobre, mas paga! Além de tudo o brasileiro tem medo de viver novas experiências, e sempre aquela historia, muitas vezes ele prefere pagar R$ 9,00, R$10,00, de um suco de milho de 600 ml, do que pagar essa mesma quantidade em uma cerveja ARTESANAL brasileira, ou mesmo uma importada com corpo, mesmo que se pague algo a mais!

  13. gustavo disse:

    alem de tudo cervejas, säo feitas para tomar no minímo entre 4º a 6º, mas essas conhecidas como AMERICAN LAGERS, e são feitas para serem tomadas entre 4º e 0º o que anulam a percepção das PAPILAS GUSTATIVAS!

  14. Felipe disse:

    Importadas ou não, cada vez mais temos cervejas artesanais nos mercados.

    Talvez deixando essas cervejas “comuns” permanecerem nessa condição (ingredientes baratos e não tão boas) conseguimos manter o lucro das pequenas cervejarias que produzem cerveja de qualidade.

  15. hass disse:

    Opa Bier de Joinville, tirando a WEIZEN, todas as outras são puro malte (BOCK | PILSEN | PALE ALE | PORTER | OLD ALE | OPA 500 | MERECIDA)… Recomendo MUITO a OLD ALE deles….

    http://www.opabier.com.br/site/index2.php

  16. Gislaine disse:

    Opa, o assunto deu pano pra manga, é meio “antigo” mas p-r-e-c-i-s-o comentar. Estive recentemente em Blumenau e conheci a Heimat, uma pequena cervejaria que recentemente começou a engarrafar, antes vendia só chopp. Compramos garrafas do primeiro lote de cervejas deles. E digo: eita Pilsen boa! Tivemos a oportunidade de tomar tirada direto do tonel e é pura, cristalina, leve e refrescante! Se tiverem oportunidade, visitem e provem!

  17. BrunoRBM disse:

    A Bamberg, feita em Votorantim – SP, segue a Lei de Pureza e também não utiliza milho na composição!

  18. oscar disse:

    Já trabalhei na Ambev e na Heineken e posso afirmar que a Heineken tem as melhores matérias primas, melhores processos e trata
    melhor seus funcionários.

  19. crisvalery disse:

    Pior que uma cerveja ruim é consumir essa porcaria de grão transgênico. Nem pipoca eu como mais!

  20. Iuri Bruns disse:

    Crisvalery, pipoca é NON-GMO.

    Quanto às cervejas, essa prática não é exclusividade do Brasil.

    Na África é assim também. Pra quem não sabe a SAB (South African Beer) Miller usa milho. A Heineken também usa. Tomei uma na Índia esses dias e tinha milho. Tomei outra nos EUA, também tem milho na formulação.

    É uma tendência mundial substituir matérias-primas caras por uma mais barata, principalmente quando o cereal em questão tem apenas 1 safra ao ano e estamos enfrentando esses cenários de instabilidade climática. Ou seja, há escassez! Melhor cerveja com cereais não maltados ou ficar sem cerveja?

    • Fernando MDB disse:

      Vocs esto discutindo vrias coisas, isso legal. Mas vale a pena manter um foco, a crtica sobre a utilizao de milho e arroz sem que o cliente saiba disso e depois, como o caso da Bohemia, Original, Serramalte, Budweiser… mentir que cerveja premium.

      Uma cerveja premium tem que ser, no mnimo, de puro malte. Ser puro malte normal, ou melhor, deveria ser corriqueiro. Eu entendo que ainda teria que ser no mnimo puro malte, puro gro, para ser premium.

      A questo ento Ambev e Kirin, citando duas, enconderem o valor qualitativo baixo de suas cervejas no informando com honestidade a ‘qualidade’ das matrias-prima utilizadas. Se informassem isso, de forma tal que o consumidor pudesse escolher pelo seu bolso, momento, convenincia, gosto… tudo bem, mas no o que acontece. Da tanta surpresa aqui na lista de gente assustada por que Brahma tambm cerveja de mentira.

      Fernando MDB oficinaeoficio.com

  21. Helinho disse:

    Como faço para saber quais cervejas nacionais não contém milho?

    • ANDRE LUIZ disse:

      DA PRA UMA GALINHA, SE ELA GOSTAR É QUE TEM MILHO!

    • Francisco Nogueira disse:

      A grosso modo, cervejas “de massa”, como Skol, Brahma e outras, normalmente trazem em seus rótulos sua composição. Se tiver algo como “cereais não maltados”, então ela leva adjuntos sim, como milho e/ou arroz (sim, arroz também é adjunto, as grandes cervejarias podem comprar um ou outro, dependendo do preço da época).

      Já as cervejas que não levam milho e/ou arroz, podem ser intituladas como “Puro Malte”, “100% Malte”, etc. traze em seus rótulos, na composição, os dizeres “cereais maltados”.

      Vale dizer que nem todo malte é de cevada. Cerveja de trigo pode ser 100% malte também, mas normalmente leva uma parte de cevada maltada e outra de trigo maltado.

  22. Gilmar disse:

    O problema é que a AMBEV e outras que produzem cerveja com milho deveriam admitir isto publicamente. Experimentem solicitar alguma informação neste sentido para os fabricantes. Eles não respondem. Também cá entre nós, a maioria quer beber pra ficar bêbado, encher a cara,não tá nem aí.
    A saída são as micro cervejarias. Eu experimentei as cervejas da cervejaria Bier Hoff, daqui de Curitiba, achei ótima. É o tipo de cerveja para ser degustada.

  23. Glauco Lima disse:

    Teria que se chamar “Bebida TIPO Cerveja”…

  24. “e lá estava o malte de cevada como único grão aceito.”

    Não, o texto tá errado, é permitido maltar trigo também, entre outros cereais, as diferenças nos sabores das cervejas alemãs se dá justamente na mistura de maltes de diferentes cereais, o que não pode é milho e arroz, cereais que não podem ser maltados, ou seja, não se consegue germinar em agua e ressecar em seguida para assim se fazer o mosto da cerveja.

  25. Dahás Nassif disse:

    Quando trabalhei na Brahma (Porto Alegre) só faziam “CERVEJAS” (máximo 33% de quirera de arroz). Depois que veio a AMBEV e acabaram com 90% das boas cervejas brasileiras – caso típico da Bohemia que era maravilhosa (agora é uma água com gosto de m…..). Espero que conservem a Serramalte (uma delas já foi abolida – a Extra) a melhor cerveja deles (AMBEV).
    E viva a Heineken (FEMSA) e a Itaipava que, pela concorrência imposta (e boa qualidade), não deixem a ganância ambeviana afogar os brasileiros em pseudo cervejas (Skol/Antarctica, etc arghhh!!!)

    Salute/Skol/Cheers/etc etc

  26. Lisandro disse:

    Como apreciador do bom malte, gostei do post. Poderia, caso tenha informações, informar-me sobre as seguintes marcas: Provincia, Coruja, Patrícia e Nortena.

  27. Gustavo disse:

    Depois que comecei a tomar cerveja de verdade está ficando cada vez mais difícil engolir fermento de milho… Existem estilos que utilizam cereais diferenciados (como as cervejas de trigo, que normalmente são de boa qualidade), mas se for tomar uma Lager (ou Pilsen, que é uma variação das Lagers e é o tipo de cerveja utilizado erroneamente para nomear as nossas de milho), aí é melhor seguir a lista. Já faz algum tempo tempo que dou preferência pra Heineken quando vou tomar uma cerveja mais acessível, onde além da qualidade superior, também tem mais lúpulo (eu particularmente gosto de cerveja um pouco mias amarga). Mas gosto é gosto e, além disso, estamos acostumados a tomar as nossas “Cervejas Pilsen” estupidamente geladas onde nem sentimos o gosto, mas refresca e ainda tem o efeito “relaxante” do álcool. Cada um bebe e gasta o dinheiro com o que quer, mas acho importante ter consciência disso tudo.

  28. eu tomo a itaipava que pra mim é uma das nacionais mais saborosas .

  29. Raphael disse:

    Outra detalhe que quase não se comenta é que a AMBEV enche as suas cervejas de ESTABILIZANTES E ANTIOXIDANTES (está no rótulo), e isso certamente se deve a baixa qualidade dos ingredientes, pois, cervejas de boa qualidade como a Haineken e outras não usam esses conservantes……
    Inclusive, desconfio que são essas químicas que fazem essas cervejas darem dor de cabeça em muitas pessoas, inclusive em mim……

  30. Ricardo Perrone disse:

    Para mim e para muitos que reclamam da mesma coisa! Quando tomo estas “cervejas” mais populares efeito colateral é “dor de cabeça”!!!!
    Muita gente, mas muita gente reclamando disto! Tem cerveja que tomo, algumas artezanais e muitas importadas que nem arrotar a gente arrota! Porquê ?????

  31. cristiano disse:

    CERVEJA TUPINIQUIN É 10

  32. gente e pior com milho transgenico

  33. guilherme disse:

    Heineken e nacional a ambev comprou…

  34. Denise disse:

    vamos lá. a lei da pureza surgiu em 1516 para proteger a Alemanha e os cereais mais nobres, e na época em que ela foi criada nem existia a fermentação. Logo acreditar que cerveja de verdade só tem malte, lúpulo e água é uma ingenuidade e falta de conhecimento histórico. Outro porém, cerveja com trigo, arroz, aveia, feitas ao redor do mundo, são menos cerveja? Me poupe. Acredito sim que tem gosto para tudo, e que as cervejas nacionais poderiam melhorar e muito. Minha dica, aprenda a tomar cerveja, escolha uma que vc gosta e tente estudar mais. Já que vc tem um blog que tem tanta leitura, deve checar os fatos antes de publicá-los, uma vez que sua intensão é levar informação aos seus leitores. Aliás, maconha aqui tb é tratada como droga? Oremos! kkk

  35. rejane maciel disse:

    Gostaria de responder ao Marcelo. E verdade que a cerveja na Inglaterra e mais cara mas os salarios la tambem sao muito mais altos do que os daqui. E eu duvido que la se tome cerveja com milho trangenico, que da CANCER!

  36. Rodrigo disse:

    Se pode chegar a três conclusões depois de ler tudo isso:
    1- Gosto é gosto e cada um tem o seu.
    2- O capitalismo selvagem faz as pessoas ficarem loucas por mais e mais dinheiro e cada vez mais sem limites.
    3- As informações e fontes vão sendo repassadas como verdades e ijdo e indo, mas no fim ninguém sabe o que é verdade ou não.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s