Drogas sintéticas: alguém proíbe uma, os outros inventam duas

ImageSemana passada a Ingrid Tavares, repórter do Uol, me ligou pedidno ajuda para uma reportagem sobre maconha sintética – o tal do Spice – e fez essa matéria. Ficou bem bacana, pra começar, porque ela não cometeu nenhum erro  grave, como é comum na cobertura da imprensa brasileira sobre drogas.

Ela não teve espaço (físico ou editorial, não sei) para incluir uma parte da nossa conversa em que tentei contextualizar a questão das drogas sintéticas – e que resumo aqui.

Não adianta “os EUA fecharem o cerco” contra essa ou aquela droga, especialmente no caso das sintéticas, colocando o nome de todas elas numa lista negra. Desde 1965 o mundo literalmente “corre atrás” dos traficantes tentando proibir o que seus químicos de fundo de quintal inventam. Não adianta. Para cada droga que se proíbe, os traficantes inventam outras para continuar à frente.

O pior é que raramente as novas drogas são menos perigosas do que as anteriores. E, mais uma vez, quem sai perdendo é o usuário, o elo mais fraco dessa corrente que parece não ter fim.

Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Drogas sintéticas: alguém proíbe uma, os outros inventam duas

  1. Pingback: Maconha artificial | CPG / Orientação Educacional

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s