Almanaque no Folhateen, da Folha de S.Paulo

A íntegra da reportagem que saiu hoje no FOLHATEEN, feita a partir de um bate-papo entre eu, o camarada Dênis Russo Burgierman, autor de O Fim da Guerra, e três curiosas estudantes de 17 anos.

Papo reto

Dois jovens autores de livros sobre drogas discutem e desmistificam o assunto sem tabus com três leitores

MILLOS KAISER
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

“Cafeína? Não sabia que isso era droga”, espanta-se Victória Martinez, 17. “Isso é um mito recorrente: achar que apenas substâncias proibidas são drogas”, explica o jornalista Tarso Araujo, autor de “Almanaque das Drogas”.

Esta foi apenas a primeira de muitas ideias que foram desmistificadas durante papo sobre o tema que a Folhapromoveu com Victória Martinez, Fernanda Brandão, Paula Abreu, as três com 17 anos de idade, Tarso e o jornalista Denis Russo, que escreveu “O Fim da Guerra”.

O livro faz uma análise minunciosa do fracasso do combate às drogas no mundo contemporâneo.

A primeira curiosidade das jovens era saber em que momento da história o ser humano começou a se envolver com substâncias alteradoras da consciência. “Desde sempre”, respondeu Araujo.

“Mas o uso difundiu-se de verdade na década de 1960, quando ídolos como Bob Dylan, Beatles e Johnny Cash declararam-se usuários, influenciando toda uma geração de jovens”, ele acredita.

Na opinião de Russo, “os adolescentes têm uma tendência natural a correr riscos, desobedecer os pais e, por consequência, experimentar drogas”.

É por isso que, em seu livro, ele defende uma estratégia antidrogas que, no lugar de punir, cuide do usuário. “Estamos criminalizando a juventude. Não podemos prender jovens por estarem fazendo o que eles sempre fizeram”, justifica.

CIGARRO APAGADO

Uma boa notícia: o número de fumantes no Brasil caiu pela metade nos últimos anos. Se, na adolescência da mãe de Paula, fumar era ser descolado, hoje parece ser exatamente o oposto.

“Tem gente da escola que fuma. Mas as pessoas em volta olham feio”, conta a jovem.

Russo acha que a redução “foi resultado das campanhas de educação e das restrições às propagandas da indústria tabagista”.

As de bebidas alcoólicas, todavia, continuam. “E com a participação do [jogador] Ronaldo e de outros ídolos”, ressalta Araujo.

Para ele, os jovens beberiam menos se soubessem de todos os reveses causados pelo alcoolismo -a lista inclui cirrose, dependência, hipertensão e diversos tipos de câncer.

Sobre a discussão da legalização, Araujo faz uma importante distinção: “Legalizar é o oposto do liberar geral. É criar regras para a produção, a distribuição e a venda, assim como é feito com as bebidas e o cigarro.”

E completa: “Se você regulamenta, dá para evitar, por exemplo, que crianças não tenham acesso a essas substâncias. Hoje, elas têm.”

“Tudo que é proibido atrai mais os jovens”, acredita Fernanda. Russo lembrou então do caso da Holanda, onde maconha pode ser comprada por qualquer pessoa em um “coffee shop”.

“Por incrível que pareça, o consumo entre os jovens de lá diminuiu. Fumar maconha virou cafona, coisa de turista”, ele diz.

LEGALIZAR x LIBERAR

Legalizadas ou não, os dois jornalistas advertem: antes dos 18 anos, o ideal é manter distância de todas as drogas.

“Nessa época, o cérebro ainda está em formação. É quando mais absorvemos conteúdos, não deveríamos embaralhar nossa química cerebral nessa fase da vida”, alerta Russo.

O uso indiscriminado de informação sobre o assunto, no entanto, está liberado.

“Só namoramos alguém depois de conhecer bem a pessoa, não é? Por que com as drogas não pode ser assim também?”, questiona Araujo.

Já Russo acha que as coisas estão melhorando. “O debate deixou de ser tabu. Cinco anos atrás, fazer esse encontro seria uma loucura”.

“De quando são os primeiros registros de uso de drogas?”

FERNANDA BRAZÃO, 17

“A partir de quando o uso de drogas se difundiu entre os jovens?”

PAULA ABREU, 17

“Como assim, cafeína também é droga?”

VICTÓRIA MARTINEZ, 17

ALMANAQUE DAS DROGAS

AUTOR Tarso Araujo
EDITORA Leya
QUANTO R$ 76 (382 págs.)

O FIM DA GUERRA

AUTOR Denis Russo
EDITORA Leya
QUANTO R$ 29 (282 págs.)

 

Aqui tem o link da matéria (versão impressa, exclusiva para assinantes).

Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Almanaque no Folhateen, da Folha de S.Paulo

  1. Pingback: O Almanaque das Drogas no Folhateen | Almanaque das Drogas

  2. Dênis Petuco disse:

    Comprei o livro faz cerca de um mês, e estou adorando a leitura! Trabalho com o tema das drogas, e nunca tinha encontrado um livro neste formato. A opção pelo formato “almanaque” foi uma grande sacada! Parabéns!!! Na hora em que eu peguei o livro, em uma livraria de laranjeiras, identifiquei na hora a proximidade com o Dênis Russo (não apenas pela editora, mas pelo estilo de escrita), e fiquei mesmo me perguntando se vocês se conheciam. Fico feliz em saber que sim! Espero que possamos nos encontrar em algum momento. Vai ser um prazer!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s